Rússia considera que alguns países desmantelam solução pacífica na Venezuela

Foto archivo  

Caracas, 11 Ago. AVN.- O governo da Rússia afirmou que ao contrário dos mecanismos de diálogo promovidos pelo governo do presidente Nicolás Maduro através da Assembleia Nacional Constituinte, alguns atores da comunidade internacional continuam avançando no desmantelamento da solução pacífica para a crise política que atravessa a nação caribenha.

"É necessário um sinal da comunidade internacional de apoio à solução pacífica da crise prolongada através do restabelecimento de uma atmosfera de confiança e o retorno do diálogo direto entre as partes em conflito. Por desgraça, frequentemente vemos o contrário", explica o comunicado divulgado nesta quinta-feira pelo Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

Veja abaixo a nota na íntegra:

Os acontecimentos na Venezuela e ao redor do país continuam atraindo uma grande atenção da Comunidade Internacional. A realidade determinante do momento atual: a formação de um novo órgão supremo no país, segundo os resultados das eleições do dia 30 de julho, a "Assembleia Nacional Constituinte" e a posta em marcha prática de sua atividade. Por tanto, estão dadas as bases dos novos marcos institucionais da vida política interna do país que abrem, em nossa opinião, a possibilidade de promover a estabilização na Venezuela.

Nas condições atuais, como nunca antes, é necessário um sinal da comunidade internacional de apoio à solução pacífica da crise prolongada através do restabelecimento de uma atmosfera de confiança e o retorno do diálogo direto entre as partes em conflito. Por desgraça, frequentemente vemos o contrário.

De maneira contrária à lógica dos acontecimentos e seus próprios chamados à "democratização" na Venezuela dos processos dirigidos por algumas forças de política interna e externa, segue avançando, como antes, a linha destrutiva de desmantelamento das ferramentas do diálogo emergente e, de fato, devolve a situação às posições iniciais sem saída. Desde outra ótica, é pouco provável que seja possível valorizar a obsessão demonstrada por vários países de aplicar sanções unilaterais, medidas de restrições de isolamento, métodos de pressão e de ultimato contra Caracas. Não acreditamos que tais ações funcionem.

Estamos convencidos de que o caminho rumo à solução política interna da Venezuela, está na intensificação dos elementos construtivos, nos enfoques que se fundamentariam, não nos lamentos sobre o não realizado mas levando em consideração as novas realidades que se formam na Venezuela, como ponto de partida para seguir adiante com o objetivo de buscar as áreas do consenso nacional e a resolução dos problemas nacionais. Não há mais alternativa que realizar negociações responsáveis e diretas entre o governo e a oposição.

A paz na Venezuela depende, como sempre, da boa vontade de todas as partes de retomar o diálogo no âmbito da Constituição, sem nenhuma ingerência do exterior, de acordo com os esforços de reconciliação política para formação de uma agenda unificadora. O ponto de referência mais próximo ao que chegar em um ambiente de interação é a posta em marcha da campanha eleitoral para realizar as eleições regionais em 10 de dezembro.

Esperamos de todas as partes, internas e externas, a prudência, sabedoria e a disposição construtiva para o trabalho conjunto em benefício de devolver a paz e a prosperidade à terra venezuelana.

11/08/2017 - 11:20 am