Autoridades investigam assassinato de três pessoas em meio à espiral de violência

Foto archivo  

Caracas, 20 Abr. AVN.- O Estado venezuelano investiga as circunstâncias em que foram assassinados Carlos Moreno, Paola Ramírez e o sargento da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) Niumar San Clemente Barrios, fatos ocorridos nesta quarta-feira.

Segundo o Ministério Público (MP), a promotora 79° nacional auxiliar, Amis Mendoza, foi designada para investigar a morte de Carlos Moreno, assassinado com um tiro na cabeça, em San Bernardino, em Caracas.

Também foi capturado Iván Pernía Dávila (31) por sua suposta responsabilidade no crime cometido contra Paola Ramírez, que recebeu um tiro no estado de Táchira.

O ministro das Relações Interiores, Justiça e Paz, Nestor Reverol, informou nesta quinta-feira que Pernía é um militante ativo do partido de direita Vente Venezuela de María Corina Machado. Segundo as autoridades, o crime foi premeditado.

Do mesmo modo, já estão em andamento as investigações para esclarecer a morte do sargento da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) Niumar José San Clemente Barrios, que foi baleado enquanto trabalhava no estado de Miranda na noite desta quarta. O chefe do Estado Maior desta jurisdição, Juan Carlos Arias Méndez, também foi ferido.

Reverol, informou que equipes do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (CICPC) de Táchira e do Distrito Capital participam das investigações sobre os crimes.

O ministro afirmou ainda que Almelina Carrillo, que foi golpeada por um objeto lançado de um edifício em Caracas, está na unidade de cuidados intensivos de uma clínica da capital. O caso também é investigado pelo CICPC.

Rechaço à violência

O ministro da Defesa, Vladimir Padrino López, afirmou no Twitter seu repúdio aos fatos ocorridos nesta quarta-feira, quando setores da extrema-direita realizaram atos vandálicos em vários pontos do país.

"Repudiamos e lamentamos a morte do sargento Niumar San clemente, Carlos Moreno e Paola Ramírez; venezuelanos todos, vítimas da intolerância e ódio", afirmou.

O defensor do Povo, Tarek William Saab, condenou todos os atos homicidas e exortou as autoridades a esclarecer os fatos e punir os responsáveis.

20/04/2017 - 12:55 pm